2.03.2018

Dissolve Coagula fanzine - número 1 disponível



Oficialmente lanço hoje o primeiro número do fanzine Dissolve Coagula. Com 64 páginas, ele é resultado de um trabalho iniciado em outubro de 2017 e consolida um interesse antigo em voltar a produzir fanzines impressos, algo que eu não fazia desde o início dos anos 2000, quando publiquei o último número do Reflexões de um Anticristo.

Um breve resumo sobre essa primeira edição:

VALORES
O fanzine sai por R$ 25,00 + frete. Para adquirir, você deve entrar em contato pela página do Dissolve Coagula no Facebook ou pelo e-mail archeo@riseup.net para que eu te passe os dados de depósito. Trocas e pedidos de distribuidores serão analisados.

A prováveis imbecis que vão falar que estou ganhando dinheiro com o fanzine e sendo um "sanguessuga da cena", já aviso: MORRAM.

ENTREVISTAS
Foram quatro entrevistados: Lucifer Luciferax, publicação voltada para o Caminho da Mão Esquerda editada pelo camarada Pharzhuph, é seguramente uma das publicações mais interessantes sobre o tema aqui no Brasil e com certeza figura entre as principais inspirações para a produção do fanzine; Vulturine, veteranos do black metal que estão prestes a lançar seu novo opus em março pela Drakkar Brasil, uma das bandas com mais personalidade na cena nacional; Círculo Hermético Pvtridvs Vox, grupo de cunho necro-esotérico que congrega algumas hordas nacionais profundamente conectadas com os aspectos espirituais do metal negro, tem desenvolvido atividades bastante interessantes e compromissadas; Vazio, horda paulistana com pouco mais de um ano de existência cujos integrantes, com raízes na cena punk, criaram um som que se conecta espiritualmente com a Corrente 218, fato que me chamou a atenção e motivou a entrevista. 

RESENHAS DE LIVROS
Leituras são sempre importantes para todos aqueles interessados pelos caminhos opositores da Mão Esquerda. São quatro as obras resenhadas: Cabala, Qliphoth e Magia Goética, de Thomas Karlsson; O Renascer da Magia, de Kenneth Grant; Thursakyngi, de Ekortu; A Arte dos Indomados, de Nicholaj de Mattos Frisvold; O Despertar de Cthulhu em Quadrinhos, da editora Draco. Todas as resenhas são muito particulares, não tendo nenhum objetivo de servir como guia de leituras ou uma visão definitiva e "correta" sobre tais obras. 

RESENHAS DE DISCOS
Música é algo que não passo sem ouvir um dia sequer. Meu gosto musical não se prende a apenas um estilo, mas para o fanzine eu procurei manter o material resenhado restrito a alguns estilos: black metal, power electronics, noise e dark ambient. Para o primeiro número as resenhas ficaram em sua esmagadora maioria em discos black metal, todavia isso irá mudar para os próximos números, onde os outros estilos citados terão incisivamente mais espaço. Por uma razão: são estilos onde vejo borbulhar o desejo de ir além da simples música (ou anti-música, no caso do noise), algo que aprecio fanaticamente. Também contarei com mais algumas pessoas escrevendo resenhas para os números futuros.

MATÉRIA SOBRE A ORDEM DOS NOVE ÂNGULOS (ONA)
Essa foi uma das primeiras ordens que conheci, na época onde os fóruns de discussão do Yahoo! bombavam e a Internet vivia sua infância, aquele tempo quase mítico onde nem o Orkut ainda existia. O extremismo físico de seus ordálios, sua aposta na clandestinidade e em um panteão formado por entidades longínquas e inomináveis conquistaram minha atenção, e eu li tudo o que pude a respeito da ONA ao longo dos anos. Essa matéria é uma espécie de acerto de contas com esse interesse, onde faço uma espécie de linha do tempo da Ordem dos Nove Ângulos, descrevo os tópicos de suas principais obras e a estrutura de seu sistema iniciático. As controvérsias envolvendo as ligações da Ordem com o neonazismo também são tratadas nesse texto, inclusive não se limitando a uma simples exposição de "fatos", mas sim buscando uma visão crítica a respeito do tema. 

NOISE E AFINS
Thiago Miazzo é um amigo que se dedica a produzir noise/harsh e outras (anti)musicalidades, e eu o convidei a escrever uma coluna sobre o tema, buscando abordar obras que tenham mais ou menos relação com temas mágicos/esotéricos. Nessa primeira coluna, que dá o tom de suas participações futuras, escreve um apanhado geral de diversas iniciativas, a maioria nacionais. Já tenho falado com o rapaz sobre como poderemos ampliar a discussão para os números vindouros, de modo mais amplo e radical.

FICÇÃO
São três textos. Um deles, "Nos braços de Nuit", compareceu primeiramente no fanzine "A Primeira Vez", do amigo Márcio Sno, produção que compilou textos onde homens falavam (de modo literal ou inventado) sobre suas primeiras experiências sexuais. Eu gostei muito de escrever esse texto, e pedi ao Sno permissão para inclui-lo no Dissolve, pois via nele certas conexões com o tema geral do fanzine. Adianto a eventuais curiosos que jamais confirmarei se a narrativa corresponde de fato a experiências vividas ou inventadas (e no final das contas isso realmente importa?). Outro é uma carta que escrevi a uma pessoa que gostaria, muito, de ter em meu círculo de amigos, mas que por motivos de força maior jamais terei essa possibilidade. O outro é parte de um projeto mais amplo, que será lentamente desenvolvido nas páginas do Dissolve, projeto que apenas os que tiverem olhos para ver nas entrelinhas entenderão a motivação.

CAPA E CONTRACAPA
Um dos pontos que coloquei como princípio para o Dissolve Coagula foi sempre ter artistas diferentes desenhando a arte das capas e contracapas. Mas não quero apenas contar com o talento artístico: para mim é importante que a pessoa tenha conexões verdadeiras com a espiritualidade canhota e um real interesse pela Força Opositora da Escuridão. Acredito que isso fortalecerá a egregóra que criei em torno dessa publicação. É por isso que pedi para a Paula Rueda fazer a capa dessa primeira edição. Já conhecia o trabalho dela como ilustradora e tatuadora, e eu não podia ter feito melhor escolha para essa edição inaugural do fanzine. Paula captou com perfeição o clima que eu queria dar e fez dois desenhos espetaculares, carregados de simbolismo e densidade. Sua participação também é um marco para dar a esse fanzine ainda muito masculino uma participação feminina de peso, algo que pretendo equilibrar na próxima edição com a participação de mais mulheres em suas páginas. Embora o Sinistro despreze as distinções entre os sexos como meros traços mundanos, vejo que há características energéticas e astrais típicas de cada um, e que pretendo congregar mais e mais nas páginas do Dissolve. 


ÚLTIMAS (E NECESSÁRIAS) PALAVRAS
Todo o processo de montagem foi feito 100% na base de tesoura, régua e cola. Apenas o arquivo final foi fechado em Photoshop, e sem a ajuda do Douglas Utescher da Ugra Press, comparsa em tantas presepadas ao longo dos anos, eu estaria provavelmente a esta hora ainda tentando finalizar o arquivo para enviar à gráfica. Fiquei extremamente satisfeito com o resultado final, pois conseguiu alcançar o nível que eu tinha em mente. Para os próximos números, teremos algumas alterações no esquema da diagramação, mas o compromisso de ser 100% manual está mais do que mantido. É honesto com meus interesses e gostos, além de impregnar cada centímetro da obra com uma "irreprodutibilidade técnica" que gosto muito, uma espécie de aversão em nível simbólico da produção serializada de bugigangas do capitalismo. Ao mesmo tempo, não vejo e não quero fazer desse caráter artesanal algo que tenha estatuto artístico. Foda-se isso! Nada do que é feito no Dissolve Coagula tem intenção de ser meramente arte ou entretenimento. Ele é e sempre será, sem nenhuma modéstia, a cristalização do meu desejo de criar verdadeiras Espadas de Morte, de cujas páginas que escorrerão sangue; páginas que conduzirão mentes pelos territórios inóspitos do questionamento, da dúvida e da incerteza, essas bênçãos da Escuridão; páginas de onde emanações adversárias, transformadas em textos, agirão como venenos nas consciências escravizadas pela Falsa Luz Demiúrgica e instigarão nos portadores da Chama Negra ímpetos de rebelião e ódio.


1.22.2018

Fanzine Dissolve Coagula: reta final



Desde outubro de 2017 eu estava trabalhando em um fanzine impresso. Pois bem: hoje, 21 de janeiro de 2018, finalizei o arquivo digital para envio à gráfica, com o cuidadoso auxílio do mestre da diagramação, o ugro Douglas Utescher da Ugra Press, valoroso aliado há mais de 20 anos em uma série de projetos sempre marcados pelo extremismo.

O fanzine terá um total de 64 páginas em formato A4 e serão produzidas 150 cópias. Começo de fevereiro estará disponível. Valores e esquema de distribuição estão ainda a definir, mas a proposta é manter tudo de forma acessível, sem apelar para exclusivismos burgueses para elevar o preço artificialmente - o Dissolve Coagula antes de qualquer coisa é um fanzine que coloca suas fichas na velha tradição contracultural que acredita no poder subversivo e anti-comercial dos artefatos emanados dos subterrâneos.

Além da aposta na tradição contracultural, eu também faço do fanzine Dissolve Coagula um material com intenções claras de estabelecer elos com espíritos livres interessados pelos mesmos temas que neles serão abordados, a saber: magia, metal negro, literatura, noise, power electronics e outros assuntos mais ou menos relacionados com o Caminho da Mão Esquerda, o grande eixo temático da publicação.

Especialmente nos últimos três anos tenho dedicado mais tempo ao desenvolvimento de minha espiritualidade, não somente através do estudo mas da prática. 2017 foi um ano marcado por revelações e experiências profundas nesse campo, em mais de um aspecto. O fanzine é uma forma de reverenciar e aprofundar essas experiências. Não seria correto dizer que ele é o meu "grimório aberto", mas haverá ali, em suas páginas, muito da minha busca, uma espécie de "diário de viagens" pelos reinos selvagens da espiritualidade obscura que, desde muito cedo, me cativavam por suas belezas raras.

Aos que seguem o blog desde o seu nascimento em 2006, que naquele então tinha exclusivamente um foco em textos ficcionais de minha autoria, talvez esse direcionamento seja de pouco interesse. Entretanto, eu já tinha uma tendência de cada vez mais deixar a ficção de lado aqui no blog, e de uns quatro anos para cá o teor dos textos foi mudando de tom, indo mais para o ensaio/resenha do que especificamente literário. Entretanto não abandonei a ficção, e nesse número inaugural do fanzine há dois textos inéditos. Pretendo, inclusive, aumentar a quantidade de ficção no próximo número.

Volto aqui quando estiver disponível.


7.03.2017

Dos latidos dos cães negros


Fazer emergir, do mais profundo dos desertos, a fonte primeva que apazigua a Sede Infinita que empurra nosso espírito fáustico rumo aos confins da Criação. Aeons futuros feitos de Gozo e Grandiosidade, nascidos sobre os ossos esmagados de gerações de humanos que cimentaram as pontes do Porvir. Aventura feita de escolhas indizíveis, de histórias secretas que não são mais ouvidas por ninguém. Ósculos trocados entre delícias e profanações, e de cada um nascerá uma nova revelação, uma nova gnose deixada aos pés do Mais Alto, daquilo que nos impele, a nós corações totalitários, que não cedemos nunca frente a todas as paixões feitas de ardor infinito, de incêndios sentimentais que transformam todos os amantes - mesmo os mais indecentes - em simples personagens de inofensivas historinhas eróticas para senhoras bem comportadas. 

Ladram os cães negros da noite, como sempre trazendo novas mensagens vindas dos mundos mortos, onde até mesmo o Amor é infecundo; nós lemos nos latidos as cartas que vem destes mundos longínquos, cartas com cheiro de incenso e sangue grafadas com estranhas letras que enlouquecem os homens ponderados, os homens cuja vida é rotina e apequenamento. Nós entramos nas casas dos homens com a Boa Nova dos Aeons Futuros, sussurramos poesias pervertidas e os convidamos a participar em júbilo das orgias com suas mulheres e lindas filhas. Eles negam o prazer e nós rimos do medo que exala de suas palavras covardes; envergonhados, choram como bebês seus cornos frescos nascidos da devassidão que embala o cavalgar indecente de suas esposas no falo que levantamos ao ar como um culto a tudo que é feito em nome da Beleza e da Eternidade. E é isso que faz pulsar o nosso desejo: Beleza nas Formas! Eternidade na Indulgência! A tudo isso sorvemos um último gole nos lábios úmidos das sorridentes filhas dos homens covardes. E extasiados morremos em um vórtex escuro que reluz, e no seu brilho secreto que apenas poucos podem ver toda a escuridão é feita de ouro.

(experiência de escrita automática após imersão meditativa em "The Book of Pleasure", de Austin Osman Spare)

4.08.2017

Carta a Cioran


São Paulo, 8 de abril de 2017

Caro Cioran,

É raro escrever cartas hoje em dia, e ainda mais para os que estão mortos. Mas hoje é uma data especial, a noite já morreu (sic) e a madrugada está no seu ápice demoníaco, com o relógio a marcar exatas três horas da manhã. Deveria ser por volta dessa hora que você fazia seus passeios em Sibiu, caminhando por ruas vazias, comungando do silêncio que traz consigo paz apenas para os covardes – seres como tu e eu não vemos nada no silêncio, a não ser um convite irrecusável para pensamentos delirantes e inconsequentes. E quero aproveitar o silêncio dessa madrugada onde o sono não vem para a ti confessar algumas coisas. 

Hoje seria o seu aniversário de 106 anos. Sinceramente, eu nunca sequer te imaginei com uma vida tão longa. Acho que você também não gostaria de estar aqui hoje, nesse mundo de polêmicas virtuais que precisam estar ferrenhamente circunscritas a regras e fronteiras. Oscilando entre o sangue e a tolerância, como você uma vez disse (não com essas palavras, perdoe minha memória falha), a história dos homens só parece mesmo avançar no calor que emana do Caos: é na lista dos crimes dos Césares que vemos o motor que anima o Tempo girar com força redobrada. “Safe spaces” (perdoe o anglicismo, mas isso é normal atualmente, os idiomas todos foram estuprados pela língua inglesa) e polêmicas que não podem exceder seus limites são exatamente o contrário do que esse mundo precisa. É como se a História fosse um ator ridiculamente tímido, que precisa ser empurrado para o palco, que não consegue ficar face a face com suas verdades - como você disse, “o homem prefere apodrecer no medo do que enfrentar a angústia de ser ele mesmo” (isso eu cito de cabeça de um de seus livros, e agora tenho certeza que citei corretamente). Hoje eu não sei dizer se vivemos na calmaria, na febre ou nos instantes que antecedem a passagem para a epilepsia, mas estou convicto que, se você resolvesse escrever as coisas que escreveu em uma fan page do Facebook, bastante provável que sua aventura virtual não duraria nem cinco minutos, seja por tédio (você sempre me pareceu um ranzinza), seja por legiões de pessoas que iriam te xingar de todas as formas possívei e pedir a algum poder qualquer (privado ou público, não importa: o que vale é deixar disponível aos insetos alguma forma de denunciar os outros nessa era onde todos são panópticos de todos) para tirar você e suas infantilidades do ar.

Enfim, você não teria nada o que fazer aqui.

Não leve isso demasiado a sério: conheço muitos que gostam das coisas que você escreveu. Eu sei bem a opinião que você nutriu quando jovem sobre a avidez das pessoas em ler os “autores tristes”: as pessoas procuram esses textos pois estes as “poupam de sofrer ou lhes dão a ilusão do sofrimento” (e eu acho que muitos que o lêem o consideram um homem irremediavelmente triste, embora eu veja mais petulância do que tristeza, além de muitas doses de humor, nas suas obras: certamente alguns trechos foram escritos em meio a risadinhas de satisfação). Busca-se sangue e lágrimas nas palavras do outro para, medindo-o a partir de nossa própria mediocridade, encontrar um destino singular, que possa ser colocado em uma espécie de pedestal. “A admiração da plebe é plena de sadismo”, você disse, e eu não poderia concordar mais. Mesmo sabendo dessa sua opinião tão negativa sobre seus leitores, eu segui lendo tudo o que você escreveu, e isso foi ao mesmo tempo uma desgraça irremediável e uma fagulha fatal que deu início a uma crise libertadora que jamais cessou.

Digo desgraça pois – e você sabe disso, não negue – a inconsciência é sempre a mais virginal e benfazeja das dádivas que um homem pode ter. Seria outro eu vivendo agora se, naquele momento da primeira desilusão amorosa, aquela que você fala que precisa ser vivenciada na juventude para que possa se amar pela primeira e única vez na vida, se naquele momento eu não tivesse lido seus elogios ao isolamento e à insônia. Talvez eu tivesse me casado mais cedo, talvez eu tivesse acumulado menos livros, talvez até mesmo ficado rico? Questões todas absolutamente irrelevantes: o absurdo rege a vida e nela eu só posso me deliciar com as coisas que não sei. Enfim, com as leituras de seus livros eu fui mergulhando em um lodaçal de questionamentos e pensamentos horrorosos que foram experimentados no limite da exaustão física. Ao mesmo tempo fonte de admiração e de inspiração, seus textos passaram de faíscas para o elemento combustor que mantinha destruidoramente selvagens as chamas da transfiguração.

Imitando você, busquei refúgio na escrita. Derramava-se em textos sem fim como forma de fuga, mas também como um exercício de investigação dos meus estados internos, explorando todas as contradições em uma exasperante ebulição de ódio, desespero e caos. Foi inspirado em ti que neguei a todos os ideais, pisoteando-os como devem ser pisoteados. Minhas delícias estavam naqueles devaneios onde “ninguém mais necessitasse da ilusão dos ideais, em que toda satisfação imediata da vida e toda resignação ilusória se tornariam impossíveis, em que todos os limites da vida normal rebentariam definitivamente” – e olha aí, nisso até mesmo você tinha um sonho, um sonho! Tirânico e cheio de soberba, certamente, mas ainda sim um sonho de disseminar a desilusão dos ideais como uma praga por toda a humanidade. Não se tratava de agir como Prometeu (deus que você odiava e que me ensinaste também a odiar), levando aos ignorantes a Boa Nova da consciência – que, longe da felicidade, trouxe para os homens somente os horrores da História e as torturas do espírito – mas sim de restituí-los ao nosso estado primordial, ao que éramos antes de entrar na humilhação do Tempo. “Os homens escutavam, que necessidade tinham de compreender?”, você perguntou, e isso se esfrega na nossa cara até hoje, castigando sem piedade, e assim até o Fim dos Tempos.

Foi na sua fonte também que alimentei meu ódio ao Cristianismo, essa religião feita da vingança e da inveja dos escravos e dos sofredores. Também abdiquei de tratar de minhas dores quando li seu relato sobre a velha que encontraste no hospital, queixando-se de suas enfermidades como se delas dependessem o Universo, como se a nossa existência tivesse alguma espécie de dignidade fundamental. E igualmente ambicionei, nos mais altos cumes do desespero, a sonhar com uma Elêusis de corações desiludidos, com um Mistério claro, sem deuses e sem as veemências da ilusão. Iniciados nos ritos secretos do Nada através de seus livros, os domingos todos se tornaram expressões circulares do arquetípico Domingo da Vida, o símbolo do tédio que sufoca os homens saudáveis, isto é, os animais. Não tenho hoje, assim como você, nenhum gosto em existir em tempos tão irremediavelmente medíocres. Só posso viver no início ou no fim do mundo. No caos primordial ou nos momentos finais do Apocalipse. Contemporâneo dos primeiros meteoros ou então vendo o espetáculo da Criação resfriar até tornar-se um astro frio e solenemente silencioso. 

E dentre todos os aprendizados que tu me proporcionaste, o mais valioso foi transformar cada ideia em uma obsessão. Só quando o pensamento sangra, quando se debate como fera enlouquecida e deixa atrás de si um rastro de grandiosidade e devastação, só quando chega a esse nível começo a levar uma ideia a sério. O comedimento e o bom senso passaram a me causar ânsias de vômitos. Eu imagino que você, quando estava ali em Paris reescrevendo pela terceira vez o Breviário, também experimentou e muitas vezes esse mesmo nojo pelos parisienses arrumadinhos que encontrava em suas caminhadas. Chegou a maltratar algum deles? Isso jamais saberei.  Você morreu há quase 22 anos e certamente nem lerá essa carta. E hoje, 8 de abril, dia de seu nascimento, onde passei a madrugada em uma espécie de rito necromântico, confessando a ti minhas opiniões e experiências a respeito de sua obra, de longe uma das mais avassaladoras tempestades do pensamento que o século XX nos legou, hoje senti – com uma força antes não experimentada – a dor que você expressou nessas palavras:

“De que serve ser conhecido se outrora não nos conheceu tal sábio ou tal louco, um Marco Aurélio ou um Nero? Não teremos existido nunca para tantos de nossos ídolos, nosso nome não terá perturbado nenhum dos séculos anteriores; que importam os que vêm depois? Que importa o futuro, essa metade do tempo, para quem adora a Eternidade?” 

Respeitosamente,

L.


--------------------------------------------------------------------

Emil Cioran nasceu em 1911, na Romênia, formando-se em Filosofia pela Universidade de Bucareste. Em 1937, mudou-se para a França, onde escreveu seus principais livros. Morreu em 1995, em Paris. Sua perturbadora obra, cuja densidade é tão alta quanto os vôos poéticos que marcam seu estilo, é um convite para o universo do niilismo nas suas mais extremas contradições e limites. Mestre da concisão e do aforismo, esse trecho do Breviário de Decomposição - considerado seu magnus opus - sintetiza o coração de sua filosofia:

“Queria semear a Dúvida até nas entranhas do globo, impregnar com ela toda a matéria, fazê-la reinar onde o espírito jamais penetrou e, antes de alcançar a medula dos seres vivos, sacudir a quietude das pedras, introduzir nelas a insegurança e os defeitos do coração. Arquiteto, teria construído um templo à Ruína; predicador, revelado a farsa da oração; rei, hasteado a bandeira da rebelião. Eu teria estimulado em toda parte a infidelidade a si mesmo, impedindo multidões de corromperem-se no podredouro das certezas."

4.03.2017

Vishudha Kali


Vishudha Kali é um projeto russo de música industrial que utiliza como base de suas composições sons produzidos pela boca, além de muitas camadas de distorção e efeitos variados. As longas composições - muitas vezes ultrapassando os dez minutos - produzem atmosferas que levam o ouvinte atento a uma jornada por áridos desertos de introspecção.

Encontrei o texto abaixo no site do projeto, onde seu idealizador, Andrei Komarov, fala um pouco mais sobre o conceito do Vishudha Kali. A revolta ao estilo "vamos destruir toda a humanidade" presente nas linhas abaixo pode soar demasiado colegial para muitos (para mim também, e muitas vezes), mas eu não consigo deixar de admirar as mentes obcecadas por inconsequentes sonhos de destruição. Mais de uma vez já escrevi aqui que, em um momento onde fazer arte (seja ela qual for) parece cada vez mais estar vinculado a atender as expectativas do público seguindo uma certa cartilha princípios não declarados, só me interessam os retardados, extremistas e solitários, que estão menos preocupados com reconhecimento (o "valor de mercado" intangível de suas obras) e mais com alargar a percepção que tem sobre si mesmos em um mundo que convulsiona no seu leito de morte.

Antes da leitura, clique no play abaixo para ouvir o som "Rituals from fire", do álbum de estreia "Psenodakh=" lançado em 2002.




"Vishuddha significa em sânscrito antigo o lugar, ou chakra, onde a energia de expressão e criação é concentrada. Está localizado na parte inferior da garganta e opera igualmente com respiração e a voz. Kali é a deusa da idade do ferro - este é o tempo de pensamentos escuros, guerras, muros & destruição, era de involução. 

Vishudda Kali é um projeto musical baseado apenas em sons produzidos através da boca do homem. Todos os sons dos discos são sons vocais, produzidos de diferentes formas de controlar a respiração e modular a fala, e apesar de terem sido gravados com diferentes tipos de processos e bastante distorcidos, são ainda sons da voz somente. As composições não são música propriamente. O trabalho criativo de Vishuddha Kali é devotado ao total genocídio da sociedade humana e ao esforço da humanidade por auto-aniquilação e destruição.

Mas também Vishuddha Kali quer observar que nem todos vocês são humanos reais. Há três tipos de seres humanos: os primeiros têm o espírito, a alma e o corpo. Estes são reais humanos, um tipo raro - um a cada um milhão, provavelmente. Cerca de 1% de toda a população humana. O segundo tipo tem a alma e o corpo - estes estão procurando a evolução. A quantidade de tais seres é próxima de 10% de todos os humanos - um entre milhares. O terceiro tipo tem o corpo somente, e o espírito e a alma estão em grau embrionário. Eles não têm nenhum objetivo espiritual, apenas uma lista de programações sociais - nascer, comer, obter o dinheiro, obter coisas diferentes e finalmente morrer e ter uma tumba apropriada com suas flores. Eles ainda podem confiar em Deus, e fazem isso da mesma forma como limpam os dentes - automática e inconscientemente. São biomassa: nascem, trabalham, tem filhos, morrem; nascem de novo, trabalham, procriam e depois morrem mais uma vez. O universo precisa que eles continuem a humanidade como espécie animal - são a fonte para produzir o homo sapiens.

Também há alguns seres especiais com vetor anti-espiritual em seu ser. Organizam ideologias, religiões e movimentos políticos. Iniciam todas as guerras, promovem progresso científico e econômico; em outras palavras, ensinam as biomassas para deslocar a energia da vida não para o progresso interno, mas para atuar no vazio. Tais seres anti-espirituais manipulam os membros da biomassa e os utilizam como escravos. Estes escravos criam as possibilidades para as pessoas anti-espirituais tenham vidas esplendorosamente ricas. Anti-espirituais criam uma infinidade de coisas vazias, fetiches como religiões, jogos e um monte de produtos diferentes para fazer com que os membros da biomassa sejam dóceis e facilmente manipuláveis. Eles também criam guerras e crises às vezes, e conduzem a energia vital e atenção das biomassas cegas para elas. As pessoas de biomassa existem somente para realizar todos os planos insanos dos anti-espirituais, tornando-se uma refeição para demônios e animais. Anti-espirituais controlam as estruturas do poder. Todos os sacerdotes, políticos, ídolos pop, etc são utilizados como fontes de energia para que consigam seus objetivos. Com isso, fazem com que os seres que têm a alma e o corpo vivam em uma atmosfera estranha, que tenham sua imaginação adoecida. Eles promovem a formação pensamentos idiota e estúpidos onde os indivíduos se imaginam muito importantes e únicos, como uma criação perfeita de Deus, como um rei de natureza, como se houvessem deuses ou anjos ou Satanás em algum lugar. Esse tipo de pessoa é o típico homem culto, ou funcionário do mundo das artes. Eles não são perigosos para um regime anti-espiritual porque eles estão escondidos dentro de sua mente interior. Sua esquizofrenia está progredindo através de diferentes eventos artísticos, naquele tipo de público interessado por colecionar coisas, fanclubs, ciência ou negócio. 

Vishuddha Kali - esta "Arte de Destruição" - tem uma intenção muito séria de mostrar a todos os seres o seu real lugar nesta vida. Sendo criado somente dos sons de respiração, ativa alguns processos de consecução. Mostra a todos que a necessidade de progresso demanda um certo tipo de violência - violência contra todos os pensamentos falsos e os programas sociais, discursos religiosos e idéias falsas. Todos nós necessitamos de um processo através da violência para limpar nossas mentes. Vishuddha Kali ajuda a abrir os olhos, para realizar que agora é tempo de parar de enganar-se, que é tempo de olhar a si mesmo de forma honesta antes de continuar a viver, antes que a poluição informativa e as mais diversas influências em nossas mentes destrua nossas almas e espíritos.

Pare de obedecer aos comandos hipnóticos de sua consciência doente para produzir famílias, crianças, acumular coisas sem sentido, ler jornais e ver TV. Pare de ter medo de qualquer coisa, de orar por qualquer um. É demasiado fácil & difícil simultaneamente - simplesmente pare e comece a viver. Destrua o seu ego. Nós não somos princesas ou reis ou anjos ou demônios - nós nem sabemos qualquer coisa sobre o cosmos e a Terra, sobre químicas e física. Todos os nossos conhecimentos sobre essas coisas estão velhos, ultrapassados  - é somente um conglomerado de ilusões, parte de um processo de involução, como uma magia negra perpetrada pelos meios de comunicação. É hora de parar esta loucura. Nenhuma religião, nenhuma política, nenhuma ideologia. Isso é tudo."


Discografia

Álbuns
Vishudha Kali - "Psenodakh" - 2002
Vishudha Kali - "Prem Genocide" - 2002
Vishudha Kali - "Myths about Srontgorrth" - 2003
Vishudha Kali - "The White Stone" -2004
Vishudha Kali & Chaos As Shelter - "Mirror" - 2004
Vishudha Kali - "Unfinished Devastation Narrative" -2005
Vishudha Kali & Velehentor & Closing The Eternity - "Ishopanishad" - 2008
Vishudha Kali & Moon Far Way - "Vorotsa" - 2011